O adeus de Dale Earnhardt Jr

Olá, amigos!

Na semana passada o mundo da NASCAR foi pego de surpresa com o inesperado anúncio da aposentadoria de Dale Earnhardt Jr. O piloto do carro de número 88, filho do sete vezes campeão Dale Earnhardt, convocou uma coletiva de imprensa junto com o chefe de sua equipe, Rick Hendrick, e falou por mais de uma hora com a imprensa, fazendo primeiro um discurso emocionado, e depois respondendo perguntas.
Continue reading “O adeus de Dale Earnhardt Jr”

Recomeço e Reconstrução – Parte II

Zanardi no Podio da Paralimpiada 2016

É muito difícil começar do zero. Todo dia você tem batalhas para enfrentar, invariavelmente na maioria das vezes está sozinho.

Por outro lado, é maravilhoso quando seu projeto de recomeço começa a caminhar e dar resultados.

Melhor ainda quando você descobre que existem outras possibilidades e caminhos que podem ser percorridos e explorados, como se costuma dizer, as vezes é fora da zona de conforto que encontramos algo que pode trazer significado e motivação as nossas ações.

Hoje percebemos que para Zanardi a palavra impossível definitivamente não estava em seu dicionário, sua vontade de estar em competições automobilísticas, após seu acidente, mesmo em categorias menores, impressionava mais e mais as pessoas.
Continue reading “Recomeço e Reconstrução – Parte II”

Pelos olhos do vencedor

Testemunhamos neste GP da Rússia mais um piloto a adentrar o rol dos vencedores da Fórmula 1, o 107º da história. Tento imaginar como Valtteri Bottas vai contar décadas mais pra frente esse GP da Rússia de 2017, sua primeira vitória, a seus filhos e netos. Suponho que seja algo mais ou menos assim:

Treinei bem naquele fim de semana, melhor que meu companheiro de equipe, mas não consegui passar de terceiro lugar no grid porque a Ferrari estava em melhor forma e era favorita. Mas na hora que as luzes vermelhas se apagaram, fiz uma ótima largada e usando o vácuo, peguei os dois carros vermelhos de surpresa!

O circuito da Rússia não tinha muitos pontos de ultrapassagem, mas minha liderança ficou sob risco todo o tempo, porque os pilotos da Ferrari, principalmente Sebatian Vettel, me pressionaram muito e poderiam me passar na tática de pit stop. Mas junto com a Mercedes eu fiz a tática correta: eles me chamavam para trocar pneus antes da Ferrari, para que eu pudesse andar muito rápido na saída do box com pneus novos e mantivesse a liderança.

Claro que isso seria um problema mais pra frente, e foi. A Ferrari de Vettel tinha pneus mais novos que os meus no fim da corrida e começou perigosamente a tirar a pequena diferença que eu tinha construído durante a corrida. Apesar dessa dificuldade, consegui andar no limite e mesmo que o Vettel diga que os retardatários o atrapalharam, ele nunca conseguiria me passar. Ah, meus netos, receber aquela bandeira quadriculada foi incrível, um dos momentos mais felizes da minha vida…

Continue reading “Pelos olhos do vencedor”

Tira-Teima!

Pela quarta vez na história da F1 moderna chegamos ao Parque Olímpico de Sochi para mais uma etapa do maravilhoso campeonato de 2017.

Em terras russas, a F1 vem preparada para uma etapa com potencial para ser o anti-clímax. Um circuito mundialmente famoso por não proporcionar diferenças de estratégias e, tão pouco, ultrapassagens.

Sem deixar o otimismo de lado, vamos para mais uma etapa que serão medidas as forças das temporada antes das mudanças previstas para Barcelona. Uma chance unica para medição do ritmo de corrida dos novos bólidos do regulamento de 2017.

Continue reading “Tira-Teima!”

O começo

Fiquei chocado com o acidente que ceifou as pernas do jovem Billy Monger na F4. Não via nada tão trágico, horripilante, em categorias de acesso desde a morte do filho do grande John Surtees.

Talvez não tenhamos tido nada tão trágico com pilotos brasileiros nas categorias de acesso. Tive um colega de colégio, de sobrenome Moretti, que morreu no Rio competindo na F-Vê. Lembro dele comentando, entusiasmado, que tinha colocado peças de magnésio na suspensão, o que lhe daria algum alívio de peso. Expediente valioso em uma categoria com tão pouca potência, porque ele era alto e forte.

Infelizmente desapareceu antes que pudéssemos ter tido mais contato.

Mas isso me leva a outro quadro triste.

Continue reading “O começo”